"Um relato impreciso pode ser uma mentira ou a não constatação total de uma realidade. No caso desse blog, tem apenas o caráter de não ter a resposta correta para todas as perguntas, não por não querer, mas sim por não saber! Pois é apenas a visão de uma mente em busca das certezas e esforçando-se para tanto..."

sábado, 7 de maio de 2011

Rock Nacional? BRock? Rock 80? De onde veio?



Já se perguntou alguma vez de onde muitas bandas brasileiras tiraram inspiração para, no anos 80, desenvolverem uma cena rock tão intensa no Brasil?

Inglaterra. Entre fins de 77 e início de 78...

O movimento Punk chega ao seu auge e declínio. Nesse período o movimento conhece seu céu e inferno (tava mais para purgatório e inferno!).
Nascido de forma pré-matura, arrebentando e afrontando tudo que estivesse em sua frente, a criança (O PUNK! D.I.Y.), enrolada em fraudas de couro negro com jeans rasgado, preso a inúmeras tarraxas prateadas e pontiagudas e rodeada por correntes, foi entregue aos leões rapidamente e, por não possuir maturidade (nem precisar que outros o ensinassem!!!), sucumbiu rapidamente... (não entendeu?! Um dia falo mais sobre a Primeira Onda Punk...).
Mas um movimento tão forte e intenso não sairia de cena sem deixar uma marca...

Surgi o Post Punk!

O termo pós-punk ou post-punk, em música, refere-se a um dos fenômenos culturais que surgiram após o auge do punk em 1977. Apesar de característico da Inglaterra e Estados Unidos, é comumente definido como um movimento especificamente inglês. Sua influência sobre a música gerou pequenas cenas semelhantes em diversos outros países. De modo geral, é interpretado como uma absorção da ética "faça-você-mesmo" (DIY ou do-it-yourself, em inglês), e do caráter visceral do punk, e ao mesmo tempo como uma negação dos novos rumos que este começava a adquirir — por exemplo, a inflexibilidade do princípio de simplicidade, a absorção dos costumes pela indústria cultural, o aparecimento de "regras" de conduta punk, etc.


As luzes iam apagando-se para a saída de cena da Primeira Onda Punk, mas muita gente ainda queria fazer música simples. Gostaram da simplicidade que a música PUNK trouxe consigo. Não era mais preciso internar-se em um conservatório para criar uma obra ROCK. Só que eles queriam mais. Adicionaram sintetizadores. Mesclaram aquela música visceral e rápida a ritmos jamaicanos (reggae, dub e ska). Introduziram elementos eletrônicos aos três acordes que eram comumente executados no PUNK (influência que veio principalmente do Krautrock). 

Assim o Post-Punk criou corpo e identidade própria e consolidou-se como cultura alternativa em seus primeiros dias. Primeiro vieram bandas como a Public Image Ltd e a Magazine, a primeira criada pelo ex-vocalista do Sex Pistols e a segunda pelo ex-vocalista do Buzzcocks, sendo que estas haviam sido as principais bandas do movimento PUNK inglês. Depois Siouxsie & the Banshees, Joy Division, The Mekons, entre outras. O próprio The Clash, que surgiu dentro do movimento punk, adotou posturas do post-punk. 

Com o passar de 3 a 4 anos alguns preferiram seguir no underground e outros optaram pelo mainstream, tornando o som mais comercial (essas bandas passaram a ser denominadas pela mídia deNew Wave’), como U2, The Smiths, New Order (banda criada pelos membros do Joy Division após o suicídio do vocalista), The Cure...


E é isso ai! Essa foi a cena que inspirou boa parte das bandas que por aqui fizeram muito sucesso nos anos 80 e início da década de 90. Bandas que tinham como característica uma sonoridade construída em acordes simples com elementos eletrônicos e rítmicos dançante. Onde a poesia deveria sobrepor a sonoridade. Só para que você perceba um pouco mais escute a música ‘A Forest’ do The Cure e veja se não lembra a você a sonoridade da Legião Urbana.

Dica: se você curte muito o som de Legião Urbana, Titãs (início da carreira), Blitz, Metrô, Kid Abelha, Absyntho, Eduardo Dussek, Hanoi Hanoi, Rádio Taxi, entre outros nesse estilo, da uma pesquisada no som das bandas inglesas que compuseram o movimento Post-Punk. Certeza que vai gostar muito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário